Quatro dúvidas comuns sobre o câncer durante a gestação

Câncer na gestação é incomum, estudos recentes apontam que uma a cada 1.000 gestantes são surpreendidas com esse diagnóstico. Diante deste cenário, existem diversas dúvidas que permeiam a cabeça das mulheres e, para reverter este quadro é necessário o acompanhamento multidisciplinar especializado, que conduzira o tratamento da melhor forma, sem prejudicar o desenvolvimento do bebê.

De acordo com dados do Instituto Oncoguia, os cânceres que acontecem com maior frequência durante a gravidez são: os de mama, colo de útero, de pele (melanoma), linfomas e leucemias. “Lidar com a doença no momento da gravidez não é fácil, porém, é preciso deixar claro que existem possibilidades de tratamento. O tumor de colo do útero, por exemplo, pode ser tratado durante a gestação e, dependendo do estágio em que o tumor se encontra, também pode ser tratado depois do nascimento do bebê”, comenta a Dr. Michelle Samora, oncologista do Centro Paulista de Oncologia (CPO) – Grupo Oncoclínicas.

Abaixo, a especialista esclarece as principais dúvidas sobre neoplasias durante a gestação:

1- Quando acontece o surgimento de um câncer durante a gravidez, qual o primeiro passo a ser seguido?

De acordo com as recomendações do Ministério da Saúde em seu último manual de Pré-Natal, a autonomia da paciente é um direito que deve ser sempre respeitado. Dessa forma, o desejo da mulher de manter a sua gestação deve ser considerado. Assim, o objetivo principal é encontrar o caminho que não prejudique a saúde do bebê e, ao mesmo tempo, consiga combater o crescimento da doença. Por isso, é indicado que se procure um oncologista que, por sua vez, irá recomendar o melhor tratamento em cada caso. Durante o tratamento, é preciso se atentar também ao crescimento fetal de maneira mais cuidadosa do que de uma gestação comum. Qualquer mudança no feto, fará com que o tratamento seja revisto.

2- Os tratamentos de câncer podem interferir no desenvolvimento do feto?

Esse é um fator preocupante. Utilizamos os tratamentos quimioterápicos apenas a partir do segundo trimestre de gestação, quando o efeito teratogênico é possivelmente menor sobre o feto. A radioterapia pode causar problemas no bebê como microcefalia, retardo mental, microoftalmia, catarata, anormalidades e até morte fetal e deve ser considerada individualmente de acordo com o tipo e localização do tumor, desde que a dose no feto seja inferior aos limiares de segurança, o que pode ser atingido mediante uso de blindagens, configurações de campos de radiação e planejamento por especialistas capacitados. A radioterapia em pelve e órgãos próximos ao feto é contra-indicada, como por exemplo, no câncer de colo de útero. A cirurgia, por sua vez, pode ser realizada durante a gestação, mas em determinadas ocasiões pode ser reservada para o período puerperal.

3- É indicado que a paciente faça um acompanhamento multidisciplinar?

Além do tratamento médico também é recomendado que a mulher passe por um acompanhamento psicológico bem direcionado para amparar e dar suporte durante o processo. Por meio desse processo multidisciplinar, a ela se sente mais segura para enfrentar o tratamento, lida melhor com o medo da doença e a preocupação com o desenvolvimento da criança. Mesmo o câncer durante a gravidez sendo considerado de alta gravidade, é possível tratá-lo de maneira segura tanto para a mãe como para o bebê.

4- A doença é o motivo para o adiantamento do parto?

O parto deverá ser considerado assim que a viabilidade fetal for alcançada, com menor morbidade neonatal esperada. Em relação ao tipo de parto, alguns tumores podem estimular a preferência pela cesárea, como ocorre em certos casos de câncer de colo de útero, a fim de se evitar liberação de células tumorais, lacerações ou hemorragias. O quimioteraÌ pico deve ser suspenso em torno de três a quatro semanas antes do parto, para evitar que a mãe e o feto estejam com baixa imunidade, risco de infecções e/ou com plaquetas baixas e risco de sangramento no momento do parto, o que aumenta as chances de complicações materno-fetais. É importante lembrar que deve evitar a amamentação, visto que vários quimioterápicos foram encontrados no leite materno.

Sobre o CPO

Fundado há mais de três décadas pelos oncologistas clínicos Sergio Simon e Rene Gansl, o Centro Paulista de Oncologia CPO , unidade São Paulo do Grupo Oncoclínicas, oferece cuidado integral e individualizado ao paciente oncológico. Com um corpo clínico com mais de 50 oncologistas e hematologistas e uma capacitada equipe multiprofissional composta por: psicólogos, nutricionistas, farmacêuticos, farmacêuticos clínicos, enfermeiros, reflexologistas e médico especializado em Medicina Integrativa. Oferece consultas médicas oncológicas e hematológicas, aplicação ambulatorial de quimioterápicos, imunobiológicos e medicamentos de suporte, assistência multidisciplinar ambulatorial, além de um serviço de apoio telefônico aos pacientes 24 horas por dia e acompanhamento médico durante internações hospitalares.

O CPO possui acreditação Canadense nível diamante (Accreditation Canada), do Canadian Council on Health Services Accreditation, o que confere ao serviço os certificados de “excelência em gestão e assistência” e qualifica a instituição no exercício das melhores práticas da medicina de acordo com os padrões internacionais de avaliação. A instituição possui também uma parceria internacional com o Dana Farber Institute / Harvard Cancer Center, que garante a possibilidade de intercâmbio de informações entre os especialistas brasileiros e americanos, bem como discussão de casos clínicos. Além disso, proporciona a educação médica continuada ao corpo clínico do CPO e médicos especialistas, com aulas e eventos com novidades em estudos e avanços no tratamento da doença. Atualmente o CPO possui duas unidades de atendimento em São Paulo, nos bairros de Higienópolis e Vila Olímpia.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *