Dicas quase infalíveis para a criança se alimentar de maneira saudável

Mães são todas iguais não é mesmo? Então me diz que mãe nunca ficou preocupada quando seu filho come mal ou não aceita provar alimentos novos?

A nutricionista Michele Cristina Ferreira, em associação com a psicóloga do Ponto Omega-Berçário e Escola de Educação Infantil Bilíngue, de São Paulo, elaborou um plano para ajudar os pais no desafio de criar crianças que, saibam escolher o alimento certo na hora de comer e que, sejam boas de garfo na medida certa!

Antes de tudo alertam: nenhuma criança morre de fome quando tem alimento à disposição e nenhuma se alimenta bem se, entre as refeições ela tem acesso a alimentos sedutores, mas pouco saudáveis. Bolachas recheadas, pão de queijo e chocolates estão entre os preferidos da criançada. São guloseimas que tiram a fome por pouco tempo, mas não alimentam…

 

A Hora das refeições não é hora para distrações:

O ambiente destinado a servir a alimentação deve ser livre de programas de TV, tablets e demais eletrônicos.

O que deve ser valorizado nesse momento é o contato social e o contato com o alimento.

A criança deve aprender a saborear, a identificar,  a conhecer e apreciar, a textura, o sabor, a cor e o aroma do alimento. Por essa razão evite, misturar tudo no prato fazendo, um grande “mexidão”. Se o fizer impedirá que a criança deguste, cada elemento que compõe, a alimentação servida.

IMPORTANTE: Deixe-a pegar, amassar, e cheirar o alimento antes de degustá-lo.

Tolere a bagunça que a criança pequena costuma fazer:

Colocar um babador ou forrar o cadeirão ou cadeira onde a criança está, para que ela tenha mais liberdade para manipular o alimento, ajuda.

Dê intervalos de 3 a 4 horas entre as refeições:

Deve-se evitar beliscar entre as refeições.

O tempo e a frequência das refeições infantis devem coincidir com as refeições dos pais, mas nunca deve extrapolar um limite de maior de 4 horas.

Demonstre curiosidade e interesse ao provar

Não recorra a brincadeiras ou faça brincadeiras com o propósito de fazer de alimentar. Também não fique brava, nem demonstre raiva e frustração se a    seu filho rejeitar. Nunca negocie com a criança para que ela coma algo. E, principalmente, não diga que ficará triste se ela não comer. Se tiver fome, certamente, comerá.

Introduza alimentos novos sistematicamente:

Independente da tendência à neofobia (medo do novo) ofereça um alimento novo sempre acompanhado de expressões como Hummm…que delícia!!! Ofereça o a comida frequentemente!

Quando o pequenino aceitar um alimento novo apena parabenize-a. Nunca use a comida como uma recompensa para nada!

Sirva alimentos apropriados à idade da criança:

Ofereça texturas adequadas ao desenvolvimento motor e oral  e tenha cuidado ao proporcionar o alimento ! Afinal criança tem estômago pequeno.

Olho no tamanho da colher. Colheres muito grandes não cabem na boca da e as muito pequenas podem ser mordidas provocando acidentes com a língua e dentes.

Regra de ouro: Nunca proíba de comer a sobremesa mesmo se ela não tiver feito a refeição principal.

Seu filho pode não estar disposto a comer determinado alimento, porém  não deve ser punido por ter recusado a refeição principal. Contudo, o porcionamento da sobremesa tem que ser na quantidade adequada. Não vale compensar. Para encher a barriga é arroz com feijão…

Limite de duração da refeição:

O almoço ou janta deve começar até 15 minutos depois de o prato ter sido servido e as refeições devem durar entre 30 e 35 minutos e, quando ficar claro que ela não vai comer ou não quer comer mais, retire o prato, sirva a sobremesa e dê por encerrado esse momento.

Não irrite a criança:

Nada mais chato do que ficar limpando a boca após cada colherada ou gole. Ansiedade e ameaças, neste momento, não são bem vindas!

Um lugar à mesa:

Faça refeições com a família. A partir dos 2 anos de idade a sua rotina alimentar deve ser integrada à rotina alimentar dos familiares e ela deve ter um lugar à mesa para que ela possa se sentir importante ao ter seu lugar reconhecido.

A importância de estarem todos juntos durante as refeições deve ser enfatizada pelos pais assim como a necessidade de permanecer à mesa até que todos terminem. Deve-se privilegiar o bate papo e não manter o foco só na criança. Não esqueça que os pais devem comer um pouco de tudo que for servido para que a criança se mire no modelo e, todos, devem ser encorajados a permanecer sentados durante a refeição sem usar o telefone celular.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *